CEstA Intempestiva com Isabel Martinez

sexta-feira, 28 Junho, 2019 - 15:00

O Centro de Estudos Ameríndios convida para o evento:
CEstA Intempestiva com Isabel Martinez (UNAM - México)
Visões nativas de uma história compartilhada: o caso dos rarámuri da Sierra Tarahumara, México

Há mais de vinte e cinco anos, Manuela Carneiro da Cunha organizou o livro História dos Índios no Brasil (Carneiro da Cunha, 1992). Do ponto de vista desta antropóloga, o direito a essas histórias próprias era fundamental na medida em que a posse da terra no Brasil derivava de uma situação histórica. No México, durante os últimos trinta anos, a produção acadêmica dessas histórias indígenas foi tendencialmente marcada pelo peso da história nacional e, portanto, pela história pré-hispânica e da etnografia articulada com os projetos de desenvolvimento nacional.
Qual o papel dos antropólogos e, particularmente, dos historiadores, na construção, reconhecimento e fortalecimento das histórias ameríndias no México? O que precisamos para adotar o ponto de vista desses povos sobre a história compartilhada? Além do trabalho político de alguns colegas e intelectuais com os movimentos sociais indígenas, como poderíamos problematizar as condições de produção de conhecimento e do ponto de enunciação sobre as histórias desses povos? Como podemos contribuir para a existência afirmativa e política das outras histórias, entendidas como correlatos de outras realidades diversas entre si, e da autonomia ontológica de outros povos?
O objetivo desta palestra é mostrar que a produção de metodologias interdisciplinares é uma ferramenta eficaz para abordar essas questões. Inspirada no projeto elaborado por Manuela Carneiro da Cunha e nas formulações sobre a teoria nativa e a teoria etnográfica, desenvolvidas nas últimas décadas no campo da antropologia, será apresentada a metodologia co-criada junto com os rarámuri ou Tarahumara que moram no norte do México e que em 2015 eram aproximadamente 75.000 falantes. Intitulada “mirada nativa”, esta proposta pretende abordar conceitos e experiências históricas ameríndias produzidas em conjunto com atores estatais e registrados em um campo de conflito e negociação comum.
Sugere-se a leitura deste e deste texto.

Sobre a imagem do cartaz: exemplo de testes pedagógicos aplicados pelo Instituto Nacional Indigenista nas escolas preparatórias da Serra Tarahumara, México, ano letivo de 1953-1954.

 

Departamento de Antropologia - FFLCH - USP
Avenida Professor Luciano Gualberto, 315, sala 1061, Cidade Universitária , São Paulo-SP - CEP: 05508-010, Caixa Postal 72042

Telefones:
Graduação: +55 (11) 2648-0622 / Secretaria da chefia: +55 (11) 3091-3718   
Horário de atendimento: 08h às 20h

Facebook: https://www.facebook.com/Depto-de-Antropologia-da-USP-129610127061382/