Abas primárias

sexta-feira, Maio 31, 2019

All day
 
 
Antes das 01
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CEstA Básica com Diego Madi Dias
sexta-feira, 31 Maio, 2019 - 14:00

O Centro de Estudos Ameríndios convida para o evento:
CEstA Básica com Diego Madi Dias (pós-doutorando PPGAS/USP)

Aprender a aprender entre os Guna no Panamá: norma e subjetivação no contexto de uma economia afetiva uxorilocal

 

A chegada de um recém-nascido é anunciada em Gunayala como o nascimento de um pescador ou de uma coletora de água, cujo virtuosismo no futuro é antecipado pelas mulheres na forma de versos improvisados para acalmar as crianças e fazê-las dormir. As atividades que a criança vai desempenhar no futuro, se ela vai "pensar" nos seus parentes e beneficiá-los com o produto do seu trabalho, esse é o tema básico dos acalantos. As canções para os meninos insistem no fato de que a criança vai para longe, deixando de "pensar" em sua mãe, em suas irmãs e em suas tias. No contexto dessa "economia afetiva", contudo, há meninos que "não vão embora". Eles desenvolvem desde cedo um senso de pertencimento ao universo feminino que é considerado autêntico por seu grupo de residência e pela comunidade onde vivem. Essas pessoas são consideradas omeggid, "parecem mulher": não se casam e permanecem associadas à sua casa natal, onde residem com as mulheres consanguíneas durante a vida adulta.

Analisando o cruzamento entre as apelações e o sistema de atitudes em contexto de corresidência, procuro responder neste paper a uma questão que aprendi a formular com Gregory Bateson: como descrever um sistema de modo a incorporar sua tendência à desordem? A comunicação se apoia em um conjunto de acalantos registrados durante meu trabalho de campo em Gunayala (2011-2015). Esse material será utilizado para caracterizar o simbolismo da perda e da separação que podemos encontrar na mitologia, no ritual, na sociologia das trocas cotidianas e na "linguagem da intimidade" expressa pelas canções de ninar. Partindo de uma abordagem "ethológica" (Bateson) do parentesco Guna, isto é, estudando a relacionalidade como experiência “sensível” ou “afetiva”, determinada por "estrutura e estratégia" (Bourdieu; Lévi-Strauss), meu objetivo será de descrever um “sistema uxorilocal” ameríndio a partir das suas potências de modulação da regra, destacando então seu caráter generativo de "autonomia pessoal" (Overing) e "individuação criativa" (Gonçalves).

Recomenda-se a leitura deste texto.

31/05/2019 - 14:00
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Add to My Calendar
 

Departamento de Antropologia - FFLCH - USP
Avenida Professor Luciano Gualberto, 315, sala 1061, Cidade Universitária , São Paulo-SP - CEP: 05508-010, Caixa Postal 72042

Telefones:
Graduação: +55 (11) 2648-0622 / Secretaria da chefia: +55 (11) 3091-3718   
Horário de atendimento: 08h às 20h

Facebook: https://www.facebook.com/Depto-de-Antropologia-da-USP-129610127061382/